Voltar para a lista de cursos

logistica

 

 Informações Gerais 

    

Regime escolar: Semestral
Turno de funcionamento: Noturno
Integralização Curricular
Modalidade: Tecnólogo – Presencial
Tempo previsto: 04 (quatro) semestres de integralização e período máximo para integralização de 08 (oito) semestres.
Carga horária total: 1833 (hum mil, oitocentos e trinta e tres) horas

 Perfil do Egresso 

   

O perfil desejado do egresso do Curso de Tecnologia em Logística é coerente com os seus objetivos, atendendo aos critérios de clareza em relação às necessidades profissionais e sociais, sendo compatível com Catálogo Nacional dos cursos de Tecnologia, de que o profissional seja um acadêmico formado para uma visão ampla das questões sócio econômicas, ambientais e éticas, apoiado em conhecimentos técnicos e científicos, com objetivo de gerenciar recursos ambientais.

 Objetivos 

O curso Superior de Tecnologia em Logística deve ensejar condições para que o tecnólogo esteja capacitado a compreender as questões científicas, técnicas, sociais e econômicas dos agentes da cadeia de suprimentos.

Objetivo Geral

Pensando em desenvolvimento com sustentabilidade, o Curso Superior de Tecnologia em Logística tem como objetivo principal formar profissionais que possam atuar em Distribuidoras e Centros de distribuição, Empresas de encomendas, Empresas em geral, indústria, comércio e serviços, Portos, Aeroportos, Terminais de transporte, Transportadoras, Institutos e Centros de Pesquisa, Instituições de Ensino, mediante formação requerida pela legislação vigente, contribuindo para o progresso sustentável do município e da regionalidade.

 Habilidades e Competências 

• Conhecer práticas administrativas aplicadas à gestão das organizações;
• Levantar, apurar e analisar dados estatísticos;
• Aplicar conceitos básicos de economia de mercado;
• Compreender o comportamento humano e suas limitações nas organizações;
• Construir uma gestão dinâmica das relações interpessoais;
• Gerenciar as operações e processos logísticos;
• Promover a segurança das pessoas, dos meios de transporte, dos equipamentos e cargas;
• Articular e atender clientes, fornecedores, parceiros e demais agentes da cadeia de suprimentos;
• Elaborar documentos de gestão e controles logísticos;
• Estruturar e definir rotas logísticas considerando os diferentes modais;
• Articular processos logísticos em portos, aeroportos e terminais de passageiros nos diferentes modais;
• Gerenciar e supervisionar o recebimento, o armazenamento, a movimentação, a embalagem, a descarga e a alienação de materiais de qualquer natureza;
• Gerenciar o sistema logístico e sua viabilidade financeira;
• Gerenciar e articular sistemas de manutenção, de suprimento e de atividades financeiras.
• Controlar custos operacionais e industriais;
• Operacionalizar a logística industrial;
• Planejar estrategicamente o sistema de compras e controle dos estoques;
• Aplicar em suas operações o sistema de Gerenciamento Ambiental-SGA e Normas da ISO 14000;
• Desenvolver e implementar sistemas de informações no apoio à tomada de decisão;
• Operacionalizar a cadeia de suprimentos e estoques aplicando o conhecimento dos indicadores financeiros na gestão de custos operacionais;
• Conhecer a legislação aplicável a logística;
• Projetar o transporte e distribuição de bens dentro da cadeia de abastecimento.
• Avaliar e emitir parecer técnico em sua área de formação. 

 Formas de Avaliação

Entendida como um processo contínuo, sistemático e integral de acompanhamento e julgamento do nível no qual alunos e professores se encontram em relação ao alcance dos objetivos desejados na formação do profissional em questão.

Nesse sentido, deve ser entendida como um processo indissociável da dinâmica de ensino e aprendizagem, pois implica a realização de verificações planejadas para obter diagnósticos periódicos do desempenho dos alunos e professores em relação à transmissão/assimilação e replanejamento das ações sempre que necessário.

Como processo cooperativo, implica a tomada de decisão de todos os participantes deste processo (alunos, professores, profissionais dos serviços nos quais ocorre a aprendizagem), em relação ao projeto curricular. Dessa forma, os diferentes momentos da avaliação durante o processo (resultados parciais) legitimam-na como produto apreendido em termos de resultado final.

Para que seja viabilizada dentro desta concepção, é importante que haja clareza quanto às características que nortearão a sua operacionalização:
• Para ser contínua, a avaliação deve acontecer ao longo de todo o processo de ensino e aprendizagem, realizada em diferentes momentos, não sendo pontual (isolada) nem um momento terminal do processo educativo.
• Para ser sistemática, a avaliação não pode ser improvisada; deve ser um ato intencional, consciente e planejado como parte integrante do processo de ensino e aprendizagem. Requer-se clareza quanto às suas finalidades, bem como quanto à utilização de instrumentos e medidas adequadas, que seja pensada como uma atividade permanente, permitindo acompanhar passo a passo a evolução do aluno na assimilação, construção e produção do seu conhecimento.
• Para ser integral, a avaliação deve estender-se a todos os domínios do comportamento: cognitivo, afetivo e psicomotor.
• Para estar voltada ao alcance dos objetivos, a avaliação deve ser planejada de acordo com o perfil profissional delineado no Projeto Político Curricular (PPC), explicitado na forma do desempenho (conhecimentos, habilidades e atitudes) desejado no graduando.
• Para ser indissociável da dinâmica de ensino-aprendizagem, a avaliação deve ser coerente com o projeto pedagógico, no sentido de refletir os objetivos e princípios que o norteiam. Não pode se limitar a um momento separado ou independente do processo de ensino.
• Para ser inclusiva, a avaliação deve facilitar ao professor, quando detectar problemas e/ou dificuldades de aprendizagem, propor alternativas de recuperação desta, integrando o aluno na busca persistente do alcance dos objetos desejados.
• Para ser abrangente, a avaliação não deve se restringir ao desempenho do aluno, mas também fornecer subsídios para avaliar o desempenho do professor e de outros profissionais envolvidos na formação acadêmica, auxiliando na tomada de decisões sobre o projeto pedagógico.
• Para ser cooperativa, a avaliação deve ter atuação ativa de todos os participantes do processo de ensino e aprendizagem, proporcionando feedback mútuo e reflexão sobre o próprio desempenho (autoavaliação).

A avaliação dos processos de ensino e aprendizagem na concepção do curso tem por objetivo visualizar as projeções sociais e reais, não simplesmente interagindo-os, mas construindo-os.

Tipos de Avaliação do Rendimento Acadêmico

A Avaliação do Rendimento Acadêmico se dá a partir de dois aspectos: o aproveitamento escolar e assiduidade.

Quanto ao aspecto da assiduidade, permanece a exigência legal, já conhecida por todos: é considerado aprovado o aluno com frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária prevista para cada componente curricular.

Quanto ao aspecto da avaliação do aproveitamento, em termos de aprendizagem, ficam instituídas as seguintes modalidades de avaliações:
VA - Verificação de Aprendizagem – trata-se de avaliação individual, escrita e/ou prática observada a natureza do componente curricular, referente ao conteúdo programático cumulativo, prevista em calendário específico.

OAT -Outras Atividades – obtida por meio de verificação do rendimento do aluno em atividades (individual ou em grupo), de investigação (pesquisa, iniciação científica, práticas investigativas), de extensão, trabalhos de campo, seminários, resenhas, fichamentos e outras formas de verificações previstas no Plano de Ensino do Professor, respeitado o Calendário Acadêmico, traduzidas em notas. No caso de trabalho em grupo, deverá ser considerado o desempenho individual de cada aluno.

VS – Verificação Substitutiva – avaliação escrita com conteúdo cumulativo, referente a todo o semestre letivo, ofertada ao aluno que a requerer, destinada a substituir apenas uma (01) das VAs perdida pelo mesmo.

VF – Verificação Final – avaliação escrita com conteúdo cumulativo referente a todo o semestre letivo, ofertada após o encerramento do semestre letivo, ao aluno que a requerer, desde que o resultado obtido nas avaliações anteriores tenha sido inferior a 60 pontos e igual ou maior que 40.

Pontuação e Critérios para Apuração da Avaliação do Rendimento Escolar

As VAs – Verificações de Aprendizagem - serão em número de três (03) no semestre letivo, em cada componente curricular e com as seguintes pontuações:

• VA 1 = 15 pontos
• VA 2 = 25 pontos
• VA 3 = 35 pontos

As OATs – Outras Atividades terão o valor total de 25 pontos, os quais poderão ser distribuídos em várias atividades, a critério do professor do componente curricular.

A apuração dos resultados da avaliação da aprendizagem é assim processada:

• NS – Nota Semestral – resultado obtido pelo somatório das VAs (Verificações de Aprendizagem) + OAT - Outras Atividades.
• RF – Resultado Final – é o resultado da avaliação da aprendizagem obtido pelo aluno por meio da média aritmética simples entre os resultados da Nota Semestral (NS) e Verificação Final (VF), em cada componente curricular, cuja pontuação mínima de aprovação deve ser de 60 pontos.
As médias dos alunos serão calculadas de forma automática pelo Sistema Acadêmico, permitindo-se arredondamento.

Oportunidades de Recuperação da Aprendizagem

A recuperação de aprendizagem é processual e se dará durante o período letivo, sendo realizada por meio de OAT - Outras Atividades e/ outros meios que o professor definir em seu planejamento.

 Autoavaliação 

A UninCor conta com uma Comissão Própria de Avaliação – CPA, autônoma na forma da lei e independente de vínculo com qualquer órgão colegiado ou diretivo da universidade, com as atribuições de condução dos processos de avaliação internos, de sistematização e de prestação das informações, visando à constante melhoria da qualidade do ensino ministrado.

A CPA é constituída, tanto a composição quanto a coordenação, por ato da Reitoria ou por previsão no seu próprio regulamento, assegurada a participação de todos os segmentos da comunidade universitária e da sociedade civil organizada, e vedada a composição que privilegie a maioria absoluta de um dos segmentos.

Serão etapas da auto avaliação do curso:

  • Definição de indicadores e fontes para a compreensão do diagnóstico.
  • Definição dos instrumentos a serem utilizados.
  • Desenvolvimento da auto avaliação.
  • Identificação de problemas e conquistas.
  • Identificação de soluções.
  • Divulgação e discussão dos resultados.
  • Elaboração de Plano de Ação.
  • Acompanhamento / Controle.

 Formas de Acesso  

Enem

A modalidade de ingresso via ENEM se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A modalidade de acesso via ENEM contemplará os candidatos que quiserem utilizar sua nota de um dos 4 últimos exames aplicados do ENEM. O candidato deverá informar o ano de realização do ENEM e a nota obtida na redação, que será validada automaticamente pelo sistema.

Provas On-line

A modalidade de ingresso via prova online está disponível para todos os cursos de graduação ofertados, tanto presenciais como a distância. A Prova Online é composta de uma prova de redação a ser realizada online que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório.

Provas Agendadas

A modalidade de ingresso via prova agendada se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A Prova Agendada é composta de uma prova de redação a ser realizada em data previamente escolhida pelo candidato que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório.

Vestibular Tradicional

A modalidade de ingresso via prova tradicional se aplica a todos os cursos de graduação, presencial ou a distância. A Prova Tradicional é composta de uma prova objetiva de 30 questões de múltipla escolha e uma redação, que visa aferir o domínio da habilidade de expressão escrita em seus diversos aspectos e consiste em uma interpretação de texto ou dissertação e terá caráter classificatório e eliminatório.