2016

Projeto de pesquisa: A construção das narradoras em Babilônia 2000, de Eduardo Coutinho

Resumo: Este projeto propõe uma reflexão sobre a constituição do narrador como elemento promovedor da alteridade, do conhecimento que temos do outro e de nós mesmos. Isso significa pensar a pessoa entrevistada como um ponto de partida inicial para a emergência deste narrador: são suas experiências, acionadas pela experiência do encontro (com o diretor, com sua equipe e com os outros dispositivos cinematográficos), que alicerçam a figura deste narrador. Para tanto, iremos nos concentrar nos relatos femininos do documentário Babilônia 2000, justamente por reconhecê-los carregados de potencialidades para um exame mais aprofundado do universo feminino como entidade narrativa. Este projeto procura examinar não só as histórias destas mulheres (o que se conta), mas como estas histórias são transformadas em narrativas, em como pessoas comuns se convertem em exímias narradoras, dando continuidade ao poder encantatório da contação de histórias. Tudo isso ocorre mediante a experiência do encontro entre personagem e dispositivo cinematográfico, do qual talvez um dos mais importantes seja a própria figura do diretor e sua capacidade de lidar com o outro.

Discente: Thainara Cazelato
Orientadora: Cilene Margarete Pereira
Período: março de 2016 a fevereiro de 2017.

 

Projeto de pesquisa: Música popular brasileira e gênero: como se cantam as mulheres?

Resumo: O objetivo principal desta pesquisa é analisar a representação da figura feminina presente nas letras de sambas das décadas de 1910 a 1950, observando o modo como os compositores (em sua maioria, homens) constroem esta imagem da mulher. Num primeiro momento da pesquisa, será feito um levantamento de compositores e canções das décadas citadas a fim de estabelecer um corpus de pesquisa para, em seguida, examinar os tipos femininos aí descritos, considerando inicialmente a tipologia proposta pelos sociológicos Manoel Berlinck e Rubem Oliven em “Sossega leão! Algumas considerações sobre o samba como forma de cultura popular” e “A mulher faz e desfaz o homem”, respectivamente.

Discente: Victória Kellen de Andrade
Orientadora: Cilene Margarete Pereira
Período: março de 2016 a fevereiro de 2017.

Projeto de pesquisa: Santo Forte: a fé como pilar da existência humana

Resumo: Esta pesquisa tem por principal objetivo analisar como, no documentário Santo Forte, de Eduardo Coutinho, lançado em 1999, são reconstituídas diversas narrativas relacionadas a experiências religiosas e espirituais diversas, indicando que, independentemente da religião praticada, o ser humano tem na fé um importante pilar para sua própria constituição. Para tanto, refletiremos sobre o cinema documentário e, em especial, o documentário coutiniano, assim como recorreremos ao pensamento de Freud para fundamentar nossas reflexões sobre a questão da religião.

Discente: Polyanna Aparecida Silva
Orientadora: Maria Elisa Rodrigues Moreira
Período: março de 2016 a fevereiro de 2017.

Projeto de pesquisa: Movimentos discursivos de imagens docentes na Revista Nova Escola

Resumo: Este projeto objetiva analisar os modos de enunciar de/sobre professores na mídia impressa - Revista Nova Escola. Seguindo essa esteira, buscamos mapear e analisar as representações dos profissionais de educação, (re)construídas nos dizeres do colunista e professor Felipe Bandoni, em um gênero específico, considerando, inclusive, uma determinada mídia – voltada para o professor. Os resultados preliminares tendem para uma figura de ensino engajada num perfil profissional que alia a teoria à prática, porém, antes de se configurar professor, reage como um profissional autocrático; não possui ainda consciência do seu papel dentro do sistema de ensino.

Discente: Ester Alayde Oliveira Veiga Bento
Orientadora: Maria Alzira Leite
Período: março de 2016 a fevereiro de 2017.

Projeto: Os Letramentos digitais e as identificações sociais

Resumo: O projeto problematizará os modos de ser e agir nas interações virtuais e os efeitos dessas interações na construção das identificações sociais de um participante selecionado. Objetivo consiste na compreensão da construção da identidade social do participante selecionado por meio das práticas de letramento virtual. Num primeiro momento da pesquisa, será feito leituras sobre a base teórica do projeto no campo dos letramentos digitais e dos estudos das performances. Também serão realizadas leituras no campo da etnografia virtual. Na segunda etapa, os pesquisadores do projeto escolherão um participante focal para análise aprofundada de suas interações em blog, comunidade do Facebook, perfil do Twitter ou grupo do Whatsapp. Em sua terceira etapa, serão analisados os dados selecionados, considerando as leituras sobre a base teórico-análitica do projeto. Defende-se que as práticas interacionais da web 2.0 são lugares pertinentes para se estudar a vida social em construção pela grande circulação de discursos, onde sentidos cristalizados convivem com novos modos de ser, agir e interagir.

Discente: Naomy Amorim Gomes
Orientadora: Thayse Figueira Guimarães
Período: março de 2016 a fevereiro de 2017.



Projeto: O ativismo político da juventude brasileira na atualidade

Resumo: Este projeto tem como finalidade investigar e discutir o ativismo político da juventude brasileira na atualidade brasileira, considerando o modo como o mesmo tem se manifestado pelas mídias digitais. A pesquisa está dividida em duas etapas. Na primeira parte, estuda-se o que é política, a relação entre micro e macro política e outros conceitos importantes para a compreensão das questões políticas em nossa sociedade. Já na segunda etapa, apresenta-se exemplos de como a política ocorre atualmente por meio das tecnologias digitais, priorizando os espaços das comunidades virtuais como lugares da micropolítica em ação. Nesta pesquisa, focaliza-se o movimento de ocupação das escolas no Brasil que ocorreu entre os anos de 2015 e 2016. O movimento de ocupação de escolas, que surgiu no início da década, no Chile, na luta dos estudantes pela gratuidade da educação pública, chegou ao Brasil em 2015, em São Paulo, na luta contra o projeto de reorganização da rede paulista de ensino que fecharia centenas de escolas, e em Goiás, contra a gestão das escolas por Organizações Sociais, espalhou-se pelo Brasil em 2016. Observa-se como esse movimento de ocupação de escola usa como instrumento para divulgação e viabilização de suas demandas políticas as comunidades criadas no Facebook. Argumenta-se que tais espaços se tornaram, na contemporaneidade, lugares de ativismo político e de construção de significados transgressores sobre a vida pública e privada, por meio dos quais micropolíticas são construídas. Argumenta-se, ainda, que a participação política convencional tem sido intensamente afetada pela interação e o acesso à Internet. É na direção de abrir espaço para reflexão sobre as novas formas de engajamento político em nossa sociedade é que este projeto pretende contribuir.

Discentes: Emerson Nogueira e João Vitor Afonso
Orientadora: Thayse Figueira Guimarães
Período: março de 2016 a dezembro de 2016.
Observação: Projeto de Iniciação Científica Júnior, desenvolvido junto ao Colégio de Aplicação.

Projeto: A representação da mulher na mídia brasileira

Resumo: Este projeto tem como finalidade investigar a representação da mulher na mídia brasileira, tendo como foco a circulação de estereótipos associados aos papeis da mulher em comerciais de utilidades domésticas. Argumenta-se que tais espaços se tornaram lugares cruciais de construção do que é o feminino e da representação da mulher na sociedade. Argumentamos que tais espaços são também lugares para as transgressões dos padrões de gênero e de ativismo político. A pesquisa está divida em duas etapas. Na primeira fase, estuda-se o que é o movimento feminista, as questões históricas desse movimento, as diferentes ondas e o modo como o mesmo vem se configurando na atualidade. Já na segunda etapa, pretende-se traçar uma linha do tempo e investigar, através de uma pesquisa documental, as diferentes representações da mulher em comerciais de utilidades domésticas na mídia impressa e digital, desde os anos 40 no Brasil. Nesta pesquisa, tentar-se-á mostrar que, apesar dos avanços e das lutas dos movimentos feministas atuais, a circulação de estereótipos sobre o papel da mulher em comerciais de utilidades domésticas ainda é muito comum. Observa-se que, na publicidade, as representações estereotípicas dos papeis da mulher ainda tem forte apelo para venda e comercialização de produtos, configurando-se assim como espaço de circulação de discursos machistas e sexista. É na direção de abrir espaço para reflexão sobre as representações da mulher em nossa sociedade é que este projeto pretende contribuir.

Discentes: Giovanna Amorim e Yasmin Pereira
Orientadora: Thayse Figueira Guimarães
Período: março de 2016 a dezembro de 2016.
Observação: Projeto de Iniciação Científica Júnior, desenvolvido junto ao Colégio de Aplicação.